Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Kiri, uma árvore milagrosa?

Ultimamente surgiram notícias que apontam esta árvore como uma solução para uma série de problemas ambientais. Especialistas afirmam que a Paulownia tomentosa – como é classificada botanicamente, o kiri japonês ou simplesmente kiri – pode ser um aliado eficaz minimizando as mudanças climáticas e os processos de desertificação que atingem 40% da superfície terrestre, sendo a região nordeste e o norte de Minas Gerais a faixa mais afetada no Brasil. O aquecimento global encontra nesta espécie um recurso natural interessante já que ela absorve dez vezes mais dióxido de carbono que outras árvores, segundo essas mesmas fontes consultadas.

Originária do norte da China e da Coréia é indiferente a poluição urbana e pode alcançar entre 10 metros no ambiente urbano e 25 metros de altura na mata, com um DAP de quase um metro. Decídua, solta flores tubulares, violáceas, com delicado perfume e, além de sua beleza ganhou o Prêmio da Royal Horticultural Society de Mérito no Jardim – tem chamado atenção pelo rápido crescimento, mesmo depois das agressões causadas pelas queimadas, regenerando suas raízes ainda que em solos de baixa fertilidade. Isto lhe outorga, também, a qualidade de pioneira em solos pobres, aportando nitrogênio ao solo quando suas folhas caem no outono.

O koto, instrumento musical japonês, é feito com sua madeira, assim como um outro coreano chamado de gayageum ou kayagum. É também uma tradição na China plantar uma destas árvores quando nasce uma menina e usar sua madeira para entalhar pequenas esculturas usadas como dote no seu casamento. Outro fato curioso é que as sementes do kiri eram utilizadas nas embalagens para proteger as porcelanas que os chineses exportavam para os Estados Unidos no século XIX, antes do desenvolvimento da embalagem do poliestireno. Ocasionalmente as sementes estouravam nas caixas e eram jogadas fora nos trilhos das ferrovias, germinando em profusão e invadindo grandes áreas.

Resta saber agora se a Paulownia, batizada assim para honrar Anna Pavlovna da Rússia, Rainha Consorte do Reino Unido dos Países Baixos e Grã-Duquesa Consorte de Luxemburgo de 1840 até 1849, é um remédio adequado para “medicar” nosso combalido Meio Ambiente ou se será mais uma espécie invasora como o eucalipto (Eucalyptus robusta, Eucalyptus viminalis, etc), o pinheiro (Pinus elliottii), a figueira (Ficus benjamina), o cinamomo (Melia azedarach), o alfeneiro (Ligustrum lucidum, Ligustrum japonicum), a espatódea (Spathodea campanulata) e tantas outras. Com a palavra os ecologistas…

Raul Cânovas nasceu em 1945. Argentino, paisagista, escritor, professor e palestrante. Com 50 anos de experiência no mercado de paisagismo, Cânovas é um profissional experiente e competente na arte de impactar, tocar, cativar e despertar sentimentos nos mais diversos públicos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

4 Comments

  1. Raul, boa noite!

    Existem empresas / produtores que comercializam as toras ou tábuas já cortadas?

    Forte abraço

    • Bom dia Marcelo,

      Lhe aconselho entrar em contato com madeireiras.

      Abraço grande

  2. Sr. Raul,
    Boa tarde! Como conseguir semente/muda desta planta? Tenho uma pequenina, pequenina mesmo kkk matinha no meu sítio – acha que seria conveniente plantar uma árvore dessa? Achei linda a floração.
    Um abraço,
    Regina