Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Cigarras

Para começo de conversa devo esclarecer que são os “cigarros” os que cantam de modo barulhento. Quer dizer, os machos e não as fêmeas produzem essa cantoria nos meses de calor, geralmente nos finais de tarde para atraí-las entoando as mais diferentes vozes dependendo da cigarra. São centenas de espécies que variam no tamanho podendo ter 15 milímetros até pouco mais de 12 centímetros de comprimento e alcançando mais de 10 cm de envergadura quando abrem suas asas.

Elas, seduzidas, podem ser ouvidas respondendo baixinho o apelo para o acasalamento, enquanto a estridência “deles” pode superar o som da sirene de uma ambulância, alcançando conforme a espécie, mais de 100 decibéis. Penso que isto deva ser algo assim como um canto triunfal depois de ter permanecido, enquanto ninfas, longos anos embaixo da terra alimentando-se de raízes. E é aqui que está o problema da existência delas nos jardins, já que ao sugar a seiva dessas raízes podem causar ferimentos,  abrindo as portas para a entrada de bactérias e fungos que depauperam, especialmente, abacateiros, cafeeiros, paricás (Schizolobium amazonicum), eucaliptos e ingazeiros. Mas, por outro lado, formigas e alguns besouros controlam estas ninfas e, na fase adulta são as aves, como o gavião carcará e o anu-branco, além do macaco-prego, que evitam a proliferação das cigarras. Eles evitam o uso de inseticidas prejudiciais ao meio ambiente.

Quando criança li “A Cigarra e a Formiga”, fábula de La Fontaine e acreditava que de tanto se esgoelarem quando cantavam, acabavam explodindo, mas depois descobri que essa espécie de armadura que encontramos abandonada nos troncos das árvores é a última “muda de roupa” ou ecdise, como é chamado o processo de mudança do seu exoesqueleto.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

2 Comments

  1. Qual melhores espécies de ciprestes são mais indicados para compor um Jardim próximo a piscina . Moro em Chapecó Santa Catarina

    • Ricardo,

      Desde o ponto de vista paisagístico as espécies tropicais combinam melhor em uma área com piscina, já que, normalmente, as pessoas ficarão com pouca roupa, tomando sol ou nadando. Isto pressupõe um ambiente com plantas que prefiram temperaturas altas, o que não é o caso dos ciprestes que crescem melhor em climas temperados.

      Mas nada impede que os utilize se gosta deles.

      Abraços