Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Norantea brasiliensis

norantea, rabo-de-arara

Dias atrás, após o término das Olimpíadas, visitei a região portuária do Rio de Janeiro. Caminhei pelos jardins que projetaram em torno do Museu do Amanhã, reparando nas espécies utilizadas. Entre elas chamou minha atenção a Norantea brasiliensis, conhecida botanicamente também pela sinonímia de Schwartzia brasiliensis. Ela foi incluída na Lista Oficial das Espécies da Flora Ameaçadas de Extinção na cidade do Rio de Janeiro e é protegida pelo Decreto Municipal 15.793 de 4 de junho de 1997, a norantea corre alto risco de extinção a médio prazo, por isto fiquei animado com a escolha, já que seu uso nos jardins garante a perpetuação da espécie.

A planta tem um aspecto invulgar, especialmente devido a sua linda florada que forma um racimo parecendo uma escova, onde reúne numerosas flores e nectários extraflorais em forma de taça. Elas produzem néctar abundante e o pólen serve de alimento a oito espécies de beija-flores e outras 10 espécies de aves.

Esta norantea – que não deve ser confundida com a Norantea guianensis, de hábito trepador – possui um alto potencial de atividade antimalárica a partir do extrato de raízes da planta, segundo pesquisas efetuadas na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ela, que é planta-símbolo do horto do campus Manguinhos da Fiocruz, deve ser incluída nos projetos paisagísticos de restinga pela sua beleza e função ecológica, sendo ideal em áreas onde sopram ventos marítimos.

  • Sinônimos estrangeiros: norantea (em inglês).
  • Família: Marcgraviaceae .
  • Características: Arbusto perene.
  • Porte: 0,8 a 1,50m de altura. Para ficar compacta e robusta é aconselhável despontá-la.
  • Fenologia: O ano todo, principalmente primavera, verão e outono.
  • Cor da flor: Vermelha junto com pequenos frutos cor de vinho quando maduros.
  • Cor da folhagem: Verde.
  • Origem: Restingas do Rio de Janeiro e do Espírito Santo.
  • Clima: Tropical ou subtropical (não tolera temperaturas baixas).
  • Luminosidade: Sol pleno.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

11 Comments

  1. sabés el nombre de esa flor en Argentina?
    Ramiro
    71 – 9.6606-4346

  2. Prezado Raul,
    Cual es el nombre de esa flor en Argentina O en otros paises de América del Sur?
    Estoy elaborando un dicionário Portuggés (brasileiro) – Español (rioplatense e adjacencias).
    Busqué y rebusqué pero no hallé el nombre de esta flor fuera del Brasil
    Desde yá, te agradezco la atención.
    Cordialmente,
    Ramiro
    (71) 9.8806-4346

    • Hola Ramiro,

      El nombre popular en español de la Norantea es agarrapé o indio de piedra.

      Un abrazo

  3. Olá, como fazer mudas da Norantia?
    Obrigada!
    Marcela

    • Olá Marcela,

      Ela se reproduz por estacas lenhosas de 10 centímetros de comprimento.

      Abraços

  4. Achei lindas e maravilhosas. Fotografei e postei no Facebook.
    Obrigada pela explicação. Amei!

    • Que foto linda Eti. parabéns!!!

  5. Raul, boa tarde! Observei que você tem viajado todo o Brasil,fazendo palestra, visitas técnicas e cursos! Como faço para traze-lo em Jaboticabal? Quanto custos e agenda! Seria para discutirmos arborização urbana e poda! Estou muito triste com o que estou vendo na minha cidade! Obrigado tenho aprendido muito com você!

  6. Linda mesmo Raul. Eu mesma, agora, tenho uma parede verde a fazer. A mesma fica numa cobertura onde o salubre e a maresia é muito vento fazem parte do cenário. Sai te pergunto; quais vegetações posso usar para eu ter sucesso nessa parede verde
    Obrigada é uma linda semana pra vc🌹

    • Oi Rosangela,

      Segue uma lista de plantas para um jardim vertical exposto a ventos e maresia:

      Aptenia cordifolia – rosinha-de-sol;
      Carissa macrocarpa – ameixa-de-natal;
      Catharanthus roseus – vinca-de-madagascar;
      Aechmea nudicaulis – bromélia-aequimea;
      Neoregelia cruenta – bromélia-neoregélia;
      Hippeastrum stylosum – açucena;
      Aechmea aquilega – gravatá;
      Cleome hassleriana – mussambê;
      Lobularia maritima – alisso;
      Clusia fluminensis “Pedra azul” – clúsia-da-pedra-azul;
      Neomarica candida – íris-da-praia (FOTO);
      Bulbine frutescens – bulbine;
      Zamia furfuracea – zamia;
      Pandanus veitchii – pândano-de-folha-serrada;
      Ixora coccinea – mini-ixora;;
      Neomarica candida;
      Pseuderanthemum carruthersii – pseudoerântemo.

      Abraços