Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Erythrina speciosa

mulungu-do-litoral, corticeira, eritrina, eritrina-candelabro, eritrina-vermelha, suinã-canivete, mulungu

Com tronco espinhento, sua madeira é leve, mole e apresenta ramos quebradiços. As folhas grandes, em formato de losango, caem no inverno, destacando a floração. É comum vê-la vegetando em terrenos brejosos, à beira de rios e nas áreas de restinga, não se importando com a fertilidade do solo, como tampouco com as águas poluídas. O efeito paisagístico é perceptível desde longe quando floresce no inverno, sobretudo quando plantada em grupos “aquecendo” o campo visual e minimizando a sensação gélida que os jardins mostram nos meses com temperaturas baixas. Além do mais atrai beija-flores, saís, sanhaçus, cambacicas e vários tipos de psitacídeos.

  • Sinônimos estrangeiros: coral tree, ivory coral tree (em inglês); árbol coral (em espanhol); erythrine corail, arbre de corail (em francês).
  • Família: Fabaceae.
  • Características: Árvore caducifólia.
  • Porte: 3,50 a 5,00 m de altura.
  • Fenologia: Junho a setembro.
  • Cor da flor: Vermelha. Há variedades com flores róseas e brancas.
  • Cor da folhagem: Verde.
  • Origem: Região Sudeste do Brasil.
  • Clima: Tropical/subtropical (não tolera geadas).
  • Luminosidade: Sol pleno.

 

Raul Cânovas nasceu em 1945. Argentino, paisagista, escritor, professor e palestrante. Com 50 anos de experiência no mercado de paisagismo, Cânovas é um profissional experiente e competente na arte de impactar, tocar, cativar e despertar sentimentos nos mais diversos públicos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.