Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Handroanthus impetiginosus

ipê-roxo, ipê-roxo-de-bola, ipê-preto, ipê-de-minas, ipê-una, piúna

Observo há tempos os equívocos cometidos quando falamos dos ipês. De modo simplista chamamos de ipê-amarelo a uma série de árvores e arbustos que se diferenciam entre si pelo porte e pelas condições de terreno onde crescem espontaneamente. Com os ipês que produzem flores rosadas ou roxas acontece algo parecido, denominando-os popularmente de ipê roxo a uma profusão de espécies parecidas. Esta que trato aqui – com a sinonímia botânica de Tabebuia impetiginosa – tem folhas compostas de 5 folíolos, maiores do que a Tabebuia avellanedae e diferentemente do que a T. heptaphylla que possui sete folíolos. Sua altura é menor se comparada com os similares e floresce um pouco antes.

A madeira dura é muito resistente e a árvore é citada na medicina popular em toda América Latina.

Atrai periquitos, cambacicas, beija-flores, sabiás, mamangabas, abelhas e até macaquinhos e é muito apropriada para arborizar calçadas, crescendo com bastante rapidez em situações diferentes como fundo de vales ou regiões serranas onde suporta estiagem prolongada.

  • Sinônimos estrangeiros: pink ipê, pink lapacho, pink trumpet tree, (em inglês); arbre sacré des incas, lapacho rose, (em francês); lapacho, lapacho morado, lapacho colorado, taheebo, tahuari, arbusto trompeta, árbol trompeta, (em espanhol); tajý hú, (em guarani)
  • Família: Bignoniaceae
  • Características: árvore caducifólia.
  • Porte: 7 a 10 m. Excepcionalmente até 25 metros no interior da floresta
  • Fenologia: Inverno.
  • Cor da flor: rosa ou roxa
  • Cor da folhagem: verde médio.
  • Origem: Argentina, Bolívia, Colômbia, Guiana Francesa, Paraguai, Peru, Suriname, Venezuela, El Salvador, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá,México. Aqui, no Brasil, muito frequente no Nordeste e Sudeste.
  • Clima: Subtropical/tropical.
  • Luminosidade: sol pleno.
Raul Cânovas nasceu em 1945. Argentino, paisagista, escritor, professor e palestrante. Com 50 anos de experiência no mercado de paisagismo, Cânovas é um profissional experiente e competente na arte de impactar, tocar, cativar e despertar sentimentos nos mais diversos públicos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

8 Comments

  1. Muito boa a explicação. e a espécie de ipê de El Salvador. Poderia por favor dar características sobre esse último? Há muita confusão tmbm entre os similares brasileiros e esse. Eu por exemplo não consigo distingui-los

    • Phllipe,

      O Ipê-de-el-salvador (Tabebuia pentaphylla ou Tabebuia rósea) é nativo desde México, passando por toda América Central até Venezuela e Equador, onde é conhecido como: falso roble, roble macuelizo, roble sabanero, apamate, guayacán rosado, etc. é semi decíduo.

      Diferenciá-los é realmente difícil.

      Abraços

  2. As fotos são suas?

    • Não Emanuela,

      Elas foram aproveitadas de diferentes arquivos e desconheço a autoria.

      Abraços

  3. Achei que era Handroanthus avellanedae, um botânico falou que o avellanedae dá flor em bola, e nessa mesma espécie tem variação de cor rosa escuro a médio. Vivendo e apreendendo.

    • É um gênero que geralmente induz à confusões, Iago.

      Abraços

  4. Olá, gostaria de saber o tamanho que as raízes alcançam e, há quantos metros de distância deve ser plantada de edificações e muros. Obrigada.

    • Olá Bárbara,

      As raízes são profundas e vigorosas, não sendo invasivas desde que a muda seja cultivada a uma distancia mínima de 4 metros de muros e edificações.

      Abraços