Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Ocimum basilicum

manjericão comum, manjericão doce

Presente na pizza marguerita, no pesto genovês, nos molhos para o macarrão, nos patês, nas saladas de tomate com queijo e mozarela, nos crostines, nas bruschettas, no suco de abacaxi e até na caipirinha. Ah! E o sorvete de manjericão? delicioso e aromático! Também não posso deixar de falar das folhas que podem aromatizar azeites e vinagres.

Seu nome botânico tem raízes do grego antigo: Ocimum deriva de okimo, termo usado por Teofrasto e Dioscórides para a erva aromática e basilicum deriva de basilikon que quer dizer planta real, majestosa. Cultivada em solos bem drenados, nitrogenados, ricos em matéria orgânica, levemente ácidos e irrigados quando secos. Propaga-se por semeadura ou estaquia de galhos no outono e na primavera. As plantas devem ser adubadas com fertilizantes orgânicos a cada 3 meses e o truque para que consigam viver até dois anos ou mais é despontar os ramos assim que aparecerem os botões florais. Desse modo as mudas ficam também mais compactas.

Existem por torno de 150 variedades de manjericão: o miúdo, o roxinho, o italiano, o manjericão-de-folha-larga, o que é conhecido como crespo, o zahtar, o tailandês, o manjericão-anis, o manjericão-cravo e muitos outros que podem ser combinados com plantas floríferas nos canteiros do jardim.

Utilizada para perfumar os velórios no interior de Minas Gerais, é venerada como uma planta com essência Divina, consagrada a Krishna e a Vishnu, na Índia, onde é colocada sobre o peito dos mortos para garantir um acesso efetivo ao paraíso. Na medicina o manjericão é aproveitado como antiflatulento, tônico, antiespasmódico, laxante, expectorante, digestivo, diurético e pela sua ação antibacteriana, na forma de óleos essenciais, chás, etc.

As folhas podem ser mantidas na geladeira por algum tempo, guardadas em um saco plástico ou dentro de um vidro com uma pitada de sal e cobertas por um bom aceite de oliva virgem

  • Sinônimos estrangeiros: sweet basil (em inglês); albahaca, alhábega, albacar, alfábega, basílico, hierba real, alfavaca, albahaca de limón, albahaca francesa, albahaca mondonguera, albahaquita (em espanhol); das basilikum, auch aasilie, basilienkraut, (em alemão); basilic romain, basilic commun, basilic aux sauces, herbe royale, grand basilic (em francês); basilico (em italiano); tulsi (em Índia).
  • Família: Lamiaceae.
  • Características: subarbusto anual, ereto e ramificado
  • Porte: 0,30 a 0,50 m quando cultivado em vasos, atingindo quase 1,00 m se plantado em canteiro.
  • Fenologia: verão e outono.
  • Cor da flor: branca ou sutilmente rosada, apícola.
  • Cor da folhagem: verde-clara, muito aromática.
  • Origem: Irã, Índia, Indonésia.
  • Clima: temperado ou subtropical. Não tolera geadas.
  • Luminosidade: sol pleno (em climas muito quentes prefere o sol da manhã).

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

2 Comments

  1. Ótima matéria, excelente erva e é rica também em antioxidantes!

    felicitações amigo Raul

    • Obrigado Junior,

      As portas continuam abertas para receber seus textos. Os seguidores do blog estão saudosos deles!

      Abraços