Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Noz-moscada na Medicina Tradicional Chinesa

A noz-moscada tem a sua história bem detalhada, pois era uma das especiarias mais cobiçadas na época das grandes navegações. No entanto, mesmo com a fama de condimento, ainda são poucos os países produtores, com destaque para a Indonésia e o Sri Lanka. O Brasil, apesar de suas extensas áreas, não investe no seu plantio, é somente um importador.

Em nosso país, alguns acham que a planta nasce espontaneamente. Mas esta confusão ocorre pois há outras plantas que também recebem o nome de noz-moscada, principalmente porque o aroma possui uma certa semelhança, como, por exemplo, a Virola surinamensis, a Cryptocarya moschata e a Alpinia zerumbet.

A famosa noz-moscada, consumida em todo o mundo (e um bocado cara), é uma árvore, cujo nome científico é Myristica fragans Houtt., e cuja origem está na Indonésia. A semente é a parte que se aproveita como condimento, mas também há o produto denominado macis, mais caro que a própria semente, o qual é obtido por meio do arilo da semente.

Além do seu uso na fitoterapia, por exemplo, ela é utilizada como antimicrobiana e antioxidante. As sementes raladas fazem parte de pratos domésticos e estão presentes nas indústrias de doces, de salgados e de bebidas. O óleo volátil, obtido das sementes, faz parte de fitoterápicos.

Sobre efeitos tóxicos, as gestantes devem evitar a dose de 2 a 3mg/kg, por ser considerado abortivo, acima de 5 gramas é considerada alucinógena.

Com relação à sua composição química, o óleo de macis possui uma quantidade mais elevada de miristicina, princípio alucinógeno do óleo de noz-moscada. Também fazem parte, por exemplo, os princípios elemicina, safrol e trimiristina, os quais produzem efeitos ansiogênicos. Estes resultados são similares aos agonistas da serotonina e do eugenol, que possuem atividade antioxidante, com inibição da produção de óxido nítrico, considerado o causador do efeito afrodisíaco, devido às suas propriedades vasodilatadoras e de relaxamento da musculatura lisa.

Aroma, cor e sabor são alguns dos princípios usados na cozinha da Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Cada elemento – Água (R/B), Madeira ( F/VB), Fogo (C/ID), Terra (E/BP) Metal (P/IG) – atende a um conjunto de características, seja na natureza, na personalidade, na constituição física/emocional e, no caso deste artigo, nos sabores do qual o tempero escolhido foi a noz-moscada.

A noz-moscada é utilizada na MTC para ativar o Yang, o que gera calor e energia no indivíduo. Ela regulariza o aquecedor médio (estômago, baço/pâncreas, vesícula biliar, fígado), reduz o Yin, regula e favorece o Qi (energia), remove estagnação de Xue (sangue), reduz inchaços/edemas, melhora as dores abdominais e favorece a digestão.

Texto: Acupunturista Fabia Cilene Dellapiazza e Marcos Roberto Furlan

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

5 Comments

  1. ótimo remédio para aliviar dor na bariga

    https://www.youtube.com/user/DerlyeMarcelinho

  2. Gostaria de obter algumas mudas de noz moscada. Será possivel me dar uma indicação. Obrigado. Gilberto.

  3. É uma árvore que pode alcançar 12 metros de altura. Prefere climas quentes e úmidos, com temperaturas médias de 25 ºC e índices de chuvas superiores a 1500 mm anuais.
    Precisa de sol e solos férteis, com boa matéria orgânica e bem drenados.

    Quando for plantá-la faça um berço generoso, de aproximadamente 60 m x 60 m x 60 m e use um bom composto com 20 % de esterco de curral, 300 g de calcário magnesiano e 200 g de superfosfato simples.

    Mudas são produzidas por: Edilson Giacon: http://www.ciprest.com.br/produtos.htm

    Abraços

  4. Gostei muito da matéria, e quero saber onde comprar a muda e os cuidados no plantio. Obrigada

Trackbacks/Pingbacks

  1. A Noz-moscada na Medicina Tradicional Chinesa | Medicina Tradicional Chinesa - [...] de Noz-moscada na Medicina Tradicional Chinesa de Marcos [...]