Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Schinus molle

aroeira, aroeira-salsa, anacauíta, aroeira-folha-de-salso, aroeira-mansa, aroeira-fruto-de-sabiá, aroeirinha, cambuy, periquita, aroeira-mole, bálsamo, corneíba, molho, molhe, pimenteira-do-peru

Schinus molle

Classificada também, pelos botânicos, como Lithraea molleoides, seu nome em guarani significa abundante cabeleira, em alusão à copa com ramos pendentes. Seu uso, na medicina indígena desse povo, é aplicado como como calmante para a dor de ouvidos e como cicatrizante, além de ser um ótimo anti-diarreico, um bom remédio para o tratamento de úlceras e aumentar o fluxo menstrual.

O conquistador, historiador e cronista Pedro Cieza de León escreveu, entre os anos de 1540 e 1550, sua Crónica del Perú, depois de ter recorrido esse país. Nela assinala assuntos como: geografia, etnografia, flora e fauna e, no capítulo 113, trata sobre a aroeira e seu aproveitamento pelos incas e quéchuas, que preparavam uma bebida alcoólica fermentada, similar a chicha, desde mil anos antes da Era Cristã. O historiógrafo espanhol também fala sobre os vinagres e melados feitos com os frutos e do xarope que eles produzem misturado com milho para fazer saborosos mingaus. Atualmente esses frutinhos vermelhos são misturados à pimenta do reino e vendidos como pimenta rosa; seu sabor é delicioso e não é picante, podendo ser usados para aromatizar peixes e decorar sorvetes.

Schinus molleA árvore é muito resistente às várias condições climáticas e pode ser melhor aproveitada nos projetos paisagísticos. Tenho visto magníficos exemplares em Mendoza, Argentina, onde as temperaturas no inverno são abaixo de cero grau e no verão alcançam cerca de 40º. Sua adaptabilidade é tanta que torno-se invasiva nas savanas semi-desérticas de África do Sul, invadindo áreas de pastagens.

  • Sinônimos estrangeiros: Aguaribay, molle, moye, aguaraiba, gualeguay, pimentero, molle del Perú, especiero, molle de Castilla, bálsamo jesuita, pirul, lentisco, escobilla, pimientillo, pimiento del diablo, árbol de la pimienta, mulli, (em espanhol); urundey-pita, urunei-yba,ybá-guassu, (no Paraguai); pepper tree, false pepper, peruvian pepper, peruvian master, californian pepper treepeppercorn tree, brazillian peppertree, (em inglês); Lentisque, poivrier d´Amerique, poivrier du Perou, (em Francês); pimenteira bastarda, (Portugal); Pfefferstrauch, (em alemão).
  • Família: Anacardiaceae.
  • Características: Árvore com copa globosa e ramos pendentes que lembram o Chorão (Salix babylonica).
  • Porte: 6 a 15 metros; em climas mais cálidos desenvolve menos em altura e alcança diâmetro de copa maior.
  • Fenologia: Primavera, frutificando no verão.
  • Cor da flor: Branca.
  • Fruto: Vermelho, em cachos pendentes.
  • Cor da folhagem: Verde clara.
  • Origem: Pampas e Mata Atlântica no Sudeste e Sul do Brasil. Norte e centro da Argentina, Chile Central, Uruguai e desertos andinos do Peru, Equador e Colômbia.
  • Clima: Temperado, subtropical. Tolerante a geadas e estiagem.
  • Luminosidade: Sol pleno.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

2 Comments

  1. Gosto muito desta árvore mas não a conheço o suficiente para saber qual a altura a que a sua copa fica do chão. Será que demoram muitos anos para que fique com uma altura do tamanho de uma pessoa?
    Obrigada

    • Oi Manuela,

      No texto acima, referindo-se ao porte, escrevi: 6 a 15 metros; em climas mais cálidos desenvolve menos em altura e alcança diâmetro de copa maior.

      O desenvolvimento é rápido. Não posso lhe dar uma informação mais precisa porque não sei qual é sua região.

      Abraços