Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Tetradenia riparia

falsa-mirra, limonete, pluma-de-névoa, incenso, pau-de-incenso, umuravumba

Este arbusto não deve ser esquecido quando projetamos jardins em regiões com longas estiagens. A falsa-mirra (a verdadeira mirra é a Commiphora myrrha) não tolera invernos chuvosos nem solos encharcados, devendo ser cultivada naqueles profundos e arenosos. Desse modo responde com floradas perfumadas, atraindo abelhas, borboletas e outros polinizadores. Seu desenvolvimento é rápido, florindo no primeiro ano de implantação e agradece podas suprimindo 50% dos ramos após o florescimento. Essas estacas, resultantes da poda, podem ser aproveitadas para produzir novas plantas já que enraízam com facilidade.

Nos países africanos as folhas que são pegajosas e deixam um forte cheiro quando esmagadas com os dedos, são adicionados às sementes e grãos armazenados para impedir a proliferação de gorgulhos e outras pragas prejudiciais. Elas repelem também traças, ácaros e a mosca branca. O nome da espécie, “riparia”, significa que abunda nas margens dos rios, onde é frequentemente encontrada em seu habitat nativo, sempre nas regiões de secas prolongadas.

A população Zulu usam a falsa-mirra para acalmar dores de estômago, combater a febre de dengue, as gripes, as diarréias e contra a malária. Também inalam o perfume das folhas esmagadas para aliviar dores de cabeça. É comprovada sua eficiência antimicrobiana combatendo várias bactérias e fungos.

Sua silueta é notável no final de agosto e primeiras semanas de setembro, devido a florada que prenuncia a primavera.

  • Sinônimos estrangeiros: misty plume bush, ginger bush, musk bush, mountain mist – gemmerbos, (em inglês); mirra, gengibre arbustivo, (em espanhol); watersalie (em africano); iboza, ibozane, (em Zulu); chororwe (em shona, língua africana falada na metade norte do Zimbabwe, no leste da Zâmbia e nas províncias de Manica, Tete e Sofala de Moçambique), faux patchouli, (em francês); tetragonio, (em italiano).
  • Família: Lamiaceae
  • Características: arbusto.
  • Porte: 1,50 metros a 2,00 metros de altura.
  • Fenologia: final do inverno.
  • Cor da flor: brancas e as vezes lilás ou cor de rosa.
  • Cor da folhagem: verde-acinzentada.
  • Origem: África do Sul, Malawi, Suazilândia, Namíbia, Angola até a Etiópia.
  • Clima: Subtropical/temperado. Não suporta geadas.
  • Luminosidade: sol pleno.
Raul Cânovas nasceu em 1945. Argentino, paisagista, escritor, professor e palestrante. Com 50 anos de experiência no mercado de paisagismo, Cânovas é um profissional experiente e competente na arte de impactar, tocar, cativar e despertar sentimentos nos mais diversos públicos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

6 Comments

  1. Qual a diferença entre a Commiphora myrrha e a Tetradenia riparia? Eu minha tia tem essa planta em casa mais eu não sei qual especie ela é já que foi um presente. Tem como saber a diferença pela folha?

    • Ana,

      A Commiphora myrrha é uma árvore espinhenta, caducifólia, que pode alcançar 5 metros de altura, com flores vermelho-amareladas, e frutinhos pontiagudos. Nativa da Somália, da Etiópia, Índia e Tailândia é a auténtica mirra. Já a Tetradenia riparia, conhecida como falsa-mirra, limonete, pluma-de-névoa, incenso e pau-de-incenso, é um arbusto que não ultrapassa os 2 metros de altura. Para saber mais sobre ele clique em: http://www.jardimcor.com/catalogo-de-especies/tetradenia-riparia/

      Abraços

  2. Minha muda está sem folhas neste momento… Por que será?

    • Isso não é normal, Mariangela,

      Faça uma poda leve e adube-a com torta de mamona.

      Abraços

  3. ADOREI conhecer através do Senhor. OBRIGADA!

    • Ah, que bom, Carmela!