Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Vitex montevidensis – Tarumã Azeitona

Espécie brasileira, cujo o nome tem origem Tupi-guarani, que significa “fruta escura de fazer vinho”. Provavelmente os frutos eram utilizados pelos indígenas para fazer algum tipo de bebida fermentada.

Ocorre de Minas Gerais até o Rio Grande do Sul,  mede de 4 à 12 metros de altura quando isolado e chega a 20 metros de altura quando no meio da floresta. Tem uma copa em forma de taça e suas flores são melíferas.

Os frutos são comestíveis, tendo um gosto adocicado, podendo ser consumidos in-natura ou usados para fazer doces ou licores. Também são muito procurados e apreciados por macacos, pássaros e outras espécies da fauna. O seu crescimento é de rápido a médio. Sua madeira é muito valorizada.

Espécie importante para uso em projetos de restauração florestal e com grande potencial para uso em projetos de paisagismo e de arborização urbana, onde se prioriza o rápido estabelecimento da espécie e a presença de pássaros. Pode ser utilizada com grupos de forma alinhada ou não e até mesmo como planta isolada.

Pouco utilizada nos projetos pelos profissionais do setor, devido principalmente ao pouco conhecimento sobre a espécie ou até mesmo a dificuldade em encontrar mudas com padrões adequados e quantidades suficientes.

  • Nomes populares: Tarumã azeitona, azeitona do mato, tapinhoan e tarumã-romã
  • Sinônimos estrangeiros: Firewheel Tree
  • Família: Verbenaceae
  • Características: árvore nativa, semi-decídua, de bela floração e frutificação para a ave fauna
  • Porte: 6 a 12 metro
  • Floração: outubro a dezembro
  • Frutificação: janeiro a março
  • Cor da flor: lilás.
  • Cor da folhagem: verde escura
  • Origem: Brasil ( MG, MS até o RS)
  • Clima: tropical
  • Luminosidade: sol pleno.

Graduado em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” , com especialização em Gestão e Manejo Ambiental e mestrado em Fitotecnia pela ESALQ – USP. Responsável pela Trees AgroComercial e Serviços Ltda (Amparo – SP), “viveiro referência” em produção mudas de qualidade. Foi bolsista da Fundação Margaret Mee, no Kew Royal Botanic Garden de Londres. Possui diversos artigos técnico-científicos publicados em periódicos e anais de congressos e extensa participação como palestrante em diversos congressos, cursos e workshops, principalmente com foco em espécies arbóreas, produção, manejo, arborização urbana e paisagismo.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

4 Comments

  1. Fica na lagoa Itatiaia bairo tiradentes campo grande ms

    • Perfeito Paulo, obrigado!

  2. Ajudou muito! VALEUUU

    • Oba, que bom Beatrice!