Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

As esculturas e a paisagem

Durante séculos, os artistas que cinzelavam o mármore pensaram suas obras para serem contempladas nos imensos jardins dos castelos e dos palácios imponentes, assim como as estátuas de bronze, fundidas desde a Grécia Antiga, sempre foram admiradas em espaços abertos, a exemplo da estátua equestre de Marco Aurélio, em Roma ou a de Perseu segurando a cabeça de medusa, em Florença e mais tarde com as obras de Alberto Giacometti que fundia suas figuras humanas neste material. O ’David’’ de Michelangelo e a “Fontana di Trevi”, modelados em mármore de Carrara bianco venato, marcaram o Renascimento Italiano e continuaram depois com Auguste Rodin, Henry Moore e Bruno Giorgi, que esculpiam também em mármore.

Fontana di Trevi

Autênticas ou réplicas, integrar uma escultura a um jardim é sempre uma nota de requinte. Basicamente a única regra a ser seguida é manter o bom gosto e a proporcionalidade entre a obra e o espaço. Não importa se optamos por um artista contemporâneo ou uma reprodução, como as das quatro estatuas que representam as estações do ano, um clássico nos jardins ingleses do século XIX.

A escolha da obra deve levar em conta aspectos como a visão desde vários ângulos, a incidência de luz e a integração com as plantas utilizadas. Isso, aliás, não é uma novidade, já que, historicamente, a arte de esculpir se desenvolveu levando em conta a exposição em espaços abertos. Segundo Étienne-Maurice Falconet, um dos maiores exponentes do estilo Rococó, “Se o escultor resolveu a contento uma das vistas de sua obra, realizou apenas uma parte de seu trabalho, pois há tantos pontos de observação quantos são os pontos existentes no espaço que a circunda”. O ponto de vista do autor das estátuas “Banhista” (1757) e “Pedro, O Grande” (1782) é interessante, pois, em sua época, os artistas modelavam o mármore ou o bronze visando contemplar suas obras iluminadas pela luz do sol. É o caso, por exemplo, da magnifica escultura de bronze da Fonte do deus Apollo, de autoria do escultor francês de origem italiana Jean-Baptiste Tuby que brilha nos jardins do Palácio de Versalhes.

Amilcar de Castro

Mesmo com o desenvolvimento tecnológico nas últimas décadas, no segmento da iluminação artificial, grandes artistas continuam pensando suas obras em espaços a céu aberto. Trabalhos de mestres como Alexander Calder, Joan Miró e Anish Kapoor ganham uma dimensão especial quando posicionadas em áreas externas. Por aqui, Galileo Emendabili, Victor Brecheret, Nicolas Vlavianos, Tomie Ohtake, Amilcar de Castro e Frans Krajcberg estão inseridos em contextos paisagísticos entranhadamente.

obras de Francisco Brennand, nos jardins de Burle Marx

Admiro um jardim onde o metal fundido ou a pedra modelada se associa às árvores e aos arbustos, criando visuais prazerosos. Um exemplo que encanta e o do pernambucano Francisco Brennand, cujas obras luzem emolduradas no meio dos jardins projetados por Roberto Burle Marx em sua oficina de Recife.

Raul Cânovas nasceu em 1945. Argentino, paisagista, escritor, professor e palestrante. Com 50 anos de experiência no mercado de paisagismo, Cânovas é um profissional experiente e competente na arte de impactar, tocar, cativar e despertar sentimentos nos mais diversos públicos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

4 Comments

  1. Raul Canovas, gostei. Para mim, também, um jardim só está completo quando tem uma escultura. Ela complementa e deixa o jardim ainda mais maravilhoso.

    • Ah, que bom que gostou, Márcia!

  2. buenas tardes, un saludo desde Paraguay me siento identificada con ud. soy tambien autodidacta. Tiene previsto algun curso en lo que va del año.
    Espero su respuesta. Lei que estuvo en Holambra en julio. Estara en la feria de las flores en setiembre?

    • Buenas tardes María Alba,

      Bueno, espero que su identificación con mi trabajo le traiga resultados profesionales. Voy a dar un curso en la Expoflora, en Holambra, uno de estos sábados de setiembre (deberemos definir la fecha exacta en los próximos días). Le recomiendo estar atenta en la sección “Cursos e Eventos” de mi blog.

      También estaré en Curitiba, João Pessoa, Igarassu, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília y Joinville em los próximos meses.

      Um abrazo