Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Os ipês não sentem frio

ipê-amarelo

Talvez até sintam, mas não da maneira sofrida e agonizante como padecem outras árvores no norte do Canadá, na Rússia ou na Escandinávia. Por aqui, em terras tropicais, o brando inverno surge com uma certa timidez para não mortificar um quase paraíso que, nos meses de junho, julho e agosto ,”veste” suas florestas com um colorido incrível, marcado pelos ipês roxos, rosados, amarelos, brancos e até um de flor esverdeada – são tantos, quase cem! –  cintilando nossas matas. Junto a eles a florada vermelha do suinã e do mulungu, do louro-branco com sua copa albina imaculadamente branca, as pétalas douradas dos imensos guapuruvus espalhados pela mata atlântica e também as hortênsias, as magnólias, as azaléias, as camélias e aquelas outras bem baixinhas e policromadas, como as calêndulas, as violetas-de-cheiro e as prímulas, que quando plantadas juntinhas formam verdadeiros tapetes.

“Os Caçadores na Neve”, Pieter Bruegel, “O Velho”

Montmartre, Maurice Utrillo

Montmartre, Maurice Utrillo

Nossas paisagens alegres serviram de inspiração a Tarsila do Amaral e a Di Cavalcanti, que retrataram estupendamente o cotidiano brasileiro, um cotidiano bem mais ameno do que aquele retratado no século 16 pelo pintor flamenco Pieter Bruegel, “O Velho” (1525/1530 — 1569), na tela “Os Caçadores na Neve”, e também menos angustiante do que a Montmartre representada pelo parisiense Maurice Utrillo (1883 – 1955) há cem anos, em plena estação invernal. Pois é, nosso friozinho nada cinzento favorece o cultivo de plantas que alcançam seu momento de esplendor exatamente no inverno, deixando nossos jardins deliciosamente vivos e radiantes.

Raul Cânovas nasceu em 1945. Argentino, paisagista, escritor, professor e palestrante. Com 50 anos de experiência no mercado de paisagismo, Cânovas é um profissional experiente e competente na arte de impactar, tocar, cativar e despertar sentimentos nos mais diversos públicos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

2 Comments

  1. Raul meu querido,
    adoro seu olhar poético sobre todas as coisas
    Bjo gde

    • Você é um amor, Célia. Obrigado pelo comentário carinhoso.

      Beijos