Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Porque ser paisagista? Para que ser paisagista?

Antes de decidir-se pela arte de criar jardins, pergunte-se: qual o motivo de optar por isso? É o glamour, os rendimentos, a chance de se tornar famoso? Se as respostas forem essas, considere que ainda lhe faltam fundamentos essenciais. O paisagista precisa ter algo de mágico, para transformar devaneios em imagens bucólicas, mas também deve ter consciência de que terá que se embrenhar pelos caminhos do conhecimento científico que lhe servirão de suporte para seu trabalho. Entre as muitas razões para esta escolha não esqueça que em algum momento você irá se perguntar se esta era sua verdadeira vocação.

Para que ser Paisagista?

Enquanto o “porque” encontra sua justificativa por algo que decidimos lá atrás, o “para que” pede a resposta das consequências do que faremos como paisagistas. Se o resultado for o de criar algo que pede manter os olhos abertos para que a alma das pessoas possam sentir deleite, teremos conseguido um bom objetivo. E se essas mesmas pessoas sentirem que o jardim lhes ensina uma lição de cores e de formas fundamentais, você terá a resposta a essa pergunta. Sentirá também a plena felicidade de ser cúmplice do Sol, que dança nessa paisagem inventada até deitar-se no horizonte, alegre como você, por ter acariciado a natureza tornando-se paisagista.

Raul Cânovas nasceu em 1945. Argentino, paisagista, escritor, professor e palestrante. Com 50 anos de experiência no mercado de paisagismo, Cânovas é um profissional experiente e competente na arte de impactar, tocar, cativar e despertar sentimentos nos mais diversos públicos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

4 Comments

  1. O paisagista é um artista que que tem o dom artístico de criar a arte da beleza de se ver.

    • Sim, Adelson, isto faz parte da atribuição do paisagista.

      Abraços

  2. Raul, há alguns longos anos exerço esta profissão e nunca me perguntei se essa seria minha verdadeira vocação porque realmente me identifico tanto com minha profissão que não senti dúvida alguma pairando sobre minha cabeça em momento algum.
    Sempre que o leio me dá essa certeza de que estou no caminho certo, mesmo que em alguns momentos não tenha o reconhecimento necessário e me sinta um pouco incompreendida. Mas isso dura poucos segundos apenas. O fogo que mantem minha alma iluminada é verde.

    • Ah, que lindo Juny,

      Acho que compartilhamos o mesmo sentimento.

      Abraços