Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Tucanos

Cada vez mais raros, o tucanos estão em perigo e põem a biodiversidade da Mata Atlântica também em essa situação. Pesquisadores brasileiros trabalharam em um estudo publicado na revista Science no último mês de maio; na pesquisa, feita junto com cientistas da Espanha e do México, os especialistas constataram que a extinção local de tucanos e outras aves, pode prejudicar o equilíbrio da região. Os tucanos são responsáveis por espalhar sementes pela mata das áreas florestadas do litoral e das zonas montanhosas, incluindo as florestas de planalto que, germinadas originarão novas mudas. Embaúbas, pitangas, palmitos, jerivás e seafortias são auxiliadas por eles na dispersão e reprodução.Os tucanos também gostam dos frutos da ataúba (Guarea macrophyla), nativa no Rio de Janeiro e São Paulo e de jabuticabas e amoras.Completam sua dieta comendo filhotes e ovos dos ninhos de outras aves, além de aranhas e insetos, como lagartas, grilos e cigarras, fornecendo aos filhotes frutos macios, larvas e pequenos insetos.

Mauro Galetti

Mauro Galetti

O professor Mauro Galleti, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), responsável pelas pesquisas em nosso país, diz: “Há algum tempo, sabe-se que as aves possuem um papel importante para as plantas, seja polinizando flores ou comendo os frutos e dispersando as sementes. A extinção das aves pode, portanto, ter efeito sobre a ecologia que depende delas para se reproduzir. Mas nunca havia sido demonstrado que a extinção dessas aves grandes pelo homem, como os tucanos, pode mudar a evolução das plantas”.

Aqui no Brasil, o estudo foi coordenado pelo professor Mauro Galetti, da Universidade Estadual Paulista (Unesp). “Há algum tempo, sabe-se que as aves possuem um papel importante para as plantas, seja polinizando flores ou comendo os frutos e dispersando as sementes. A extinção das aves pode, portanto, ter efeito sobre a ecologia das plantas que dependem delas para se reproduzir. Mas nunca havia sido demonstrado que a extinção de aves grandes pelo homem, como os tucanos, pode mudar a evolução das plantas”, explica o biólogo que, há décadas, estuda a dispersão de sementes. Galetti tirou vantagem do seu amplo cabedal científico e de seu banco de dados sobre o palmito-juçara (Euterpe edulis) para desenvolver o trabalho.

Apesar das pesquisas terem sido feitas na Mata Atlântica, os cientistas constataram que este tipo de mudanças afeta outros biomas como o amazônico, já que o decrescimento das grandes aves é verificado nas várias regiões do Brasil.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Secured By miniOrange