Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Bendito é o Fruto

Bendito é o fruto, este porta-joia, esta urna, este útero que encerra as preciosas sementes as quais contêm todo o segredo, todas as informações necessárias para o surgimento de uma nova vida. Estas joias que germinam e promovem a continuidade das espécies.

Bendito é o fruto que permanece fechado sobre as sementes dando-lhes proteção e alimento enquanto amadurecem.

Bendito é o fruto, grande, pequeno, suculento, seco, redondo, comprido, colorido, verde, preto, rugoso, espinhento, liso, peludo…

Bendito é o fruto que só amadurece quando as sementes estão prontas para germinar e aí eles arrumam um jeito de colocá-las em contato com o solo para cumprirem sua missão. Ou eles explodem, ou caem e apodrecem no chão ou são levados grudados no corpo dos animais, ou são comidos e depois as sementes expelidas pelas suas fezes, ou atingem o solo com a impulsão de nossas bocas que degustam o fruto e depois cospem as sementes, ou são triturados pelos bicos poderosos das aves, ou são levados pelas águas ou pelo vento ou ….

De uma forma ou de outra aquelas sementinhas, joias preciosas, saem de seu porta-joias. Muitas vezes elas nos parecem totalmente sem vida, mas em contato com o solo e um pouquinho de umidade saem do seu repouso e iniciam o mágico processo de germinação.

Bendito é o fruto, característico das Angiospermas, aquele que nasce da fecundação da flor que de tão bonita seduz pássaros e insetos que a polinizam levando o pólen até o seu ovário. Aí elas se despem de sua beleza e perdem pétalas, sépalas e pistilos restando somente o ovário e os óvulos, ou seja, o fruto e as sementes futuras. Só as Angiospermas possuem frutos e por isso são consideradas as plantas mais evoluídas. Angio significa urna e sperma, semente. Para ilustrar este texto resolvi colocar acima uma bonita fruteira, não com peras, maçãs, bananas e laranjas, mas sim com frutos colhidos no meu quintal. Frutos de lírios, quaresmeiras, nandinas, russélias, orquídeas, alamandas, podocarpos, ligustros, etc . Apesar de não muito apetitosos para nós, não deixam de ser muito importantes para a natureza e para perpetuação de suas espécies!

Nascida em São Paulo.
Formada em Biologia pela USP em 1970.
Atua na Área de paisagismo há 20 anos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.