Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Porcelana Companhia das Índias

Tang Dynasty porcelainA verdadeira porcelana, produto cerâmico de massa muito fina, vitrificada, translucida comumente, recoberta de esmalte incolor e transparente, branco ou com as mais variadas pinturas e desenhos; é originária da China. Surgiu entre os anos 618/900 d.C., durante a Dinastia Tang.

Foi a descoberta do caulim pelos chineses, que permitiu a criação de peças alvas e transparentes. Durante muitos séculos, eles esconderam o segredo dessa arte e só no século XVII, os japoneses, que através dos coreanos tomaram conhecimento desse mistério, passaram a fabricar objetos em porcelana.

Essa porcelana, usada na corte do Imperador chinês, nunca foi produzida em série, nem ao gosto do freguês, nem foi exportada. A especialidade que os chineses exportavam era a Porcelana Companhia das Índias.

Prato recortado de grandes dimensões em porcelana da China, Companhia das Índias, decoração policromada “folha de tabaco com fênix”, reinado Qianlong, séc. XVIII.

Foi a partir da descoberta do Caminho das Índias, por Vasco da Gama, que a porcelana chegou ao mundo Ocidental: 170 milhões de peças (10 milhões delas, foram levadas para Lisboa).

Até o século XVIII, a China deteve a tecnologia da fabricação de porcelana, mas em 1709, um alquimista polonês, que tentava fabricar ouro, acabou por achar a fórmula.

Os portugueses levavam porcelana para o Ocidente, desde 1481. A primeira peça a chegar, foi um gomil, supostamente presenteado ao Rei D. Manuel. O comércio propriamente dito, também foi iniciado por eles, no início do século XVI, e tudo o que traziam era facilmente vendido.

Em 1515, instalaram-se em Macau, onde era fabricada a porcelana azul e branca, conhecida como “borrão”, e os negócios prosperam ainda mais, mas eles não conseguiram manter o monopólio desse comércio. Franceses, holandeses e ingleses entraram na parada com suas Companhias. Em 1600, a Inglaterra passou a competir com todos e acabou por assumir a liderança desse negócio por longos 250 anos.

Os agentes comerciais levavam modelos, formas, brasões e iniciais para serem copiados em porcelana e, muitas vezes, as letras e o colorido dos emblemas não eram reproduzidos com muita fidelidade. Os temas foram variados: flores de pessegueiro, ameixeira e cerejeira, galhos de salgueiros, lagos, garças e cisnes, animais imaginários, deuses e crianças a brincar. Criaram-se assim, magníficas sopeiras, grandes travessas, legumeiras, entre outros, de forma ocidental, feitas da mais pura pasta chinesa.

Desde o começo do século passado, o interesse pela porcelana Companhia da Índias tem crescido e importantes coleções podem, então, ser vistas em vários renomados Museus, como o Guimet, de Paris, e o Topkapi, de Istambul.

No Brasil, são notáveis as coleções:

  • Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro, composta de peças de oito serviços adquiridos por D. João VI e do serviço completo do Barão de Massarambá (172 peças);
  • Museu de Arte da Bahia de Salvador, composta por peças do acervo Góes Calmon;
  • Museu Costa Pinto de Salvador/BA;
  • Fundação Oscar Americano, em São Paulo.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

Secured By miniOrange