Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Jardins no espaço sideral

Não é fácil ter plantas no espaço. Sem gravidade, as sementes vibram, a água se aglutina em gotas e a luz artificial e o ar precisam ser finamente regulados para reproduzir o sol e o vento. No entanto, para a NASA, ter jardins no cosmos é crucial para sua carreira espacial.

Os futuros exploradores espaciais terão que se alimentar durante suas missões de vários meses, às vezes anos, à Lua ou a Marte, e nos produtos liofilizados alguns nutrientes essenciais, como as vitaminas C e K, desaparecem com o tempo. Se os astronautas forem privados desses componentes, o risco de desenvolver infecções, câncer, doenças cardíacas ou má circulação sanguínea aumenta e muito.

Perante essa observação, a agência espacial dos EUA se voltou para botânicos e jardineiros, principalmente jovens estudantes, para fazer alguns experimentos.

A astronauta Peggy Whitson segura o repolho chinês cultivado na Estação Espacial Internacional.

“Há dezenas de milhares de plantas comestíveis na Terra que podem ser úteis, mas não é fácil saber quais são as melhores para produzir alimentos para os astronautas”, diz Carl Lewis, diretor do Jardim Botânico de Fairchild, na Flórida, na primeira línea das investigações. “É aqui que entramos em ação”, acrescenta ele.

Este jardim botânico de Miami identificou 106 variedades de plantas que poderiam responder bem no espaço, como o repolho rústico e a alface, e tem sido associado com mais de 15.000 alunos de 150 escolas que cultivam plantas em suas salas de aula, nas mesmas condições do que no espaço exterior. O projeto de quatro anos, financiado por um subsídio da NASA de US $ 1,24 milhão, já está na metade e começa a gerar os primeiros resultados. Usando bandejas equipadas com lâmpadas semelhantes às usadas no espaço, os alunos cuidam das plantas, coletam e registram várias informações sobre sua evolução e transmitem todas essas informações para a NASA.

O astronauta Steve Swanson colhe alface vermelha em junho de 2014 na Estação Espacial Internacional

No entanto, a experiência não está isenta de certas dificuldades: às vezes as plantas são muito irrigadas, a temperatura das salas de aula varia de uma para outra ou as colheitas são deixadas desacompanhadas durante as férias escolares. Este tipo de desventuras contribui de forma inesperada para o programa: “Se uma planta reage bem com todas essas variantes, é muito provável que também reaja bem no espaço”, disse Gioia Massa, especialista em botânica da agência espacial, à AFP.

Os astronautas que vivem a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS), orbitando a Terra a 400 quilômetros de altitude, também experimentaram várias falhas na jardinagem espacial. A primeira câmera portátil a crescer no espaço, equipada com lâmpadas LED e denominada Veggie, é testada desde 2014 na ISS e, a princípio, uma parte da alface não germinou e o restante sucumbiu à seca. No entanto, os astronautas perseveraram e, em 2015, puderam provar a primeira folha de salada cultivada no espaço. Agora a estação tem duas câmeras Veggie e uma terceira chamada Advanced Plant Habitat. A coleção é muito esporádica e consiste apenas de uma ou duas folhas para cada astronauta, mas, como um deles explicou, Ricky Arnold, em uma conexão de vídeo com a escola Fairchild em abril, vale a pena.

Os futuros astronautas podem cultivar algumas de suas refeições dentro de estufas, como esta câmara de crescimento marciana, onde frutas e vegetais podem ser cultivados hidroponicamente, sem solo

“A textura da comida, seja qual for, é muito semelhante”, disse ele sobre os liofilizados. Mas “quando você pode coletar sua própria alface, o simples fato de provar uma textura diferente é uma distração muito agradável do cardápio padrão”. Prevê-se que muitos dos legumes que os estudantes estão experimentando serão liberados para a ISS nos próximos meses, especialmente uma variedade de alface e um mini repolho. No próximo ano, talvez os tomates possam fazer parte do cardápio.

Os especialistas também destacam uma nova dimensão do projeto de jardinagem espacial: “As vantagens psicológicas podem ser importantes para os astronautas”, estima Trent Smith, pesquisador da NASA.

Não é à toa que vários astronautas afirmaram sentir-se confortados pelo cultivo de plantas, porque os ajuda a manter a conexão com a Terra.

Raul Cânovas nasceu em 1945. Argentino, paisagista, escritor, professor e palestrante. Com 50 anos de experiência no mercado de paisagismo, Cânovas é um profissional experiente e competente na arte de impactar, tocar, cativar e despertar sentimentos nos mais diversos públicos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.