Sobre o Blog e Contato

Paisagismo e Jardinagem

Coronavírus, uma nova Peste Negra?

Há tempos falo, nas minhas palestras e nos meus cursos, de um novo Renascimento, um período entre meados do século XIV e o fim do século XVI. A Renascença começa no final da Idade Média, mais ou menos  em  1450, 1460, época em que a peste negra já tinha matado vinte cinco milhões de seres humanos na Ásia e na Europa. Essa peste começou também na China na década de 1330 e era transmitida pelas pulgas dos ratos para as pessoas, atualmente também os animais transmitem o Coronavírus: morcegos, pangolins e cobras são considerados. No mês de outubro de 1347, alguns navios italianos regressaram da China, depois de negociarem na Rota da Seda, arribando em Sicília, trazendo a bordo uma tripulação infestada pela epidemia.  Em poucos dias a doença se espalhara pela cidade toda e suas redondezas.

Médico na peste bubônica

Seiscentos e setenta e três anos depois a história se repete originando-se nos mesmos países… casualidade? Naquela época os recursos médicos se restringiam aos ensinamentos de Hipócrates, Galeno e Avicena, hoje temos infinitos recursos clínicos e medicinais para nos amparar, mas eles não protegem do Coronavírus, apenas tentam evitá-lo. Até 1º de abril, calcula-se  que mais de 46 mil mortes aconteceram no mundo, um número bem menor que durante a peste bubônica, entretanto o infortúnio que vivemos ainda está começando e acredito que ele seja algo emblemático, uma espécie de prenúncio que antecede a nova era que se descortina.

“O Triunfo da Morte” Pieter Bruegel, 1562

Sim, um singular Renascimento está abrindo as portas neste planeta, onde as pessoas modificam seus hábitos, comendo cada vez menos carne (14% dos brasileiros se declaram vegetarianos, em 2012, eram 8%); privilegiando o ser e não o ter, já que o ter é passageiro, mas o ser é eterno; criando uma arquitetura do bem-estar, em lugar daquela cintilante e pomposa dos anos passados; construindo jardins que ofereçam aconchego ao caminhante, seja morador ou visitante. Homens e mulheres do mundo todo comprarão menos e usufruirão daquilo que já possuem, teremos menos carros próprios e usaremos aplicativos para nos deslocar, voltaremos a sentir o prazer de uma boa sinfônica executando um concerto e disponibilizaremos de horas e mais horas contemplando a arte de uma tela ou simplesmente a gota de orvalho imobilizada na folha de uma avenca.

Capela Sistina, Michelangelo

Abram os olhos para esta Nova Era, estejam atentos às mudanças espirituais que mulheres e homens irão se defrontar nos próximos anos.

Comente ou pergunte

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aviso! Está a tentar enviar uma imagem inválida. A imagem não vai aparecer com o seu comentário.

8 Comments

  1. Que bom. Obrigada pela resposta! :)

    • Você merece, Vanessa!

      Abraços

  2. Olá, Raul. Há algum estudo sobre a possibilidade de transmissão do covid-19 através das plantas?

    • Olá Vanessa,

      As plantas não transmitem o Covid 19, mas sim as gotículas depositadas nelas por alguém infestado.

      Não conheço nenhum estudo sobre isto.

      Abraços

  3. Obrigada Mestre por dividir mais este pedaço da história.
    Por aqui seguimos guardados de corpo mas com a alma cada vez mais harmoniosa.
    Saúde

    • Cara Claudine,

      É uma fase onde crescemos espiritualmente…aproveite cada instante.

      Abraços

  4. E os médicos daquele tempo tb usavam máscaras com ervas,tipo bico de aves,para se protegerem,com ervas aromáticas no seu interior para evitar o mau cheiro, exalado pelos cadáveres amontoados pelas ruas…

    • É verdade Izabor,

      Esse bico da máscara guardava capins cheirosos que, segundo eles, impediam a peste de contagia-los.

      Abraços